Após 11 anos parado, mensalão tucano começa a tramitar na Justiça de MG

Está na 5ª Vara da Fazenda Estadual de Minas Gerais a ação judicial que trata dos fatos relacionados ao mensalão mineiro. A justiça vai analisar a ação pública por atos de improbidade administrativa que tem como réus o ex-governador de Minas e ex-presidente nacional do PSDB, Eduardo Azeredo, o ex-senador Clésio Andrade (PMDB), além de Marcos Valério Fernandes de Souza, seus ex-sócios e outros.
O processo estava há mais de 11 anos no Supremo Tribunal Federal. A ação ficou parada, aguardando o julgamento de dois recursos apresentados em 2005 contra a decisão do então relator, o ex-ministro Carlos Ayres Britto, que havia determinado a remessa dos autos à Justiça Estadual de Minas. Só em novembro de 2014, o plenário negou o recurso e remeteu para a primeira instância. No mês passado a justiça mineira recebeu o caso.
Ao jornal O Estado de S. Paulo, em publicação nesta sexta-feira (5), o promotor e um dos autores do processo, Leonardo Duque Barbabella, criticou a demora da tramitação. “É um descrédito para o Ministério Público, é um descrédito para o Judiciário”, afirmou. “Já há provas mais do que suficientes. A vantagem é que na área cível não prescreve”, informou.
Mensalão Mineiro
Segundo acusação da Procuradoria-Geral da República, o caso, também conhecido como Mensalão Tucano, foi um esquema de arrecadação ilegal de recursos para a campanha à reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas, em 1998.
Em dezembro de 2013, a ação por improbidade foi ajuizada. Demorou quatro anos antes da denúncia criminal. Na época, o Supremo recebeu o primeiro processo envolvendo a campanha tucana daquele ano.
A ação do Ministério Público Estadual pede a indisponibilidade ou bloqueio cautelar de bens até o limite de R$ 12 milhões. Os promotores afirmam que o governo de Minas autorizou de forma ilegal o pagamento de R$ 3 milhões das estatais Companhia Mineradora de Minas (Comig, atual Codemig) e Companhia de Saneamento do Estado (Copasa) para a agência SMPB, com o objetivo de patrocinar o evento esportivo Enduro da Independência. Porém, a verba era repassada para a campanha de reeleição de Azeredo ou para pagar prestadores de serviço.
Em 2005, o caso veio à tona e em 2007, o então procurador geral da República, Antônio Fernando de Souza, fez a denúncia ao STF, depois, contra Azeredo e outras 14 pessoas pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Entre os denunciados, o senador Clesio Andrade (PMDB-MG). O processo começou a tramitar no STF em 2009.
O procurador geral da República, Rodrigo Janot, enviou STF, em fevereiro de 2014, as alegações finais do processo, recomendando a condenação de Azeredo a 22 anos de prisão. E também pediu ao deputado do PSDB pagamento de multa  na quantia de R$ 404.950, o valor ainda sujeito à correção monetária.
Para não ser julgado pelo Supremo, Azeredo, que ocupava cadeira na Câmara, renunciou ao mandato. Dessa forma, perdeu o foro privilegiado e o processo contra ele pôde passar para a primeira instância da Justiça mineira.
Já o ex-senador Clesio Andrade (PMDB), renunciou em julho do mesmo ano e o processo, que corria no STF, foi enviado à 9ª Vara Criminal, em Belo Horizonte.
Neste ano, o processo de Azeredo volta a ser julgado em Minas Gerais. No caso de Clésio Andrade, que era em 1998 vice de Azeredo, ele terá que prestar depoimento na 9ª Vara Criminal em oitiva marcada para o próximo dia 07 de julho.Em ação penal, Clesio é acusado de peculato e lavagem de dinheiro por ter, supostamente, tentado ocultar recursos recebidos de Marcos Valério na campanha de  Azeredo.
Da Agência PT de Notícias
Share on Google Plus

About IPW Noticias

    Blogger Comment
    Facebook Comment